Economia

É ingenuidade pensar em reindustrializar o Brasil sem o Estado, diz Mercadante

Presidente do BNDES defendeu a participação do banco público no desenvolvimento de uma nova cadeia produtiva no País

O Presidente do BNDES Aloizio Mercante. Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, defendeu a participação do Estado brasileiro – por meio de bancos públicos – no processo de reindustrialização do Brasil. A intenção, diz, é fornecer linhas de créditos que possam fomentar empresas com capacidade para competir de igual para igual com Estados Unidos e União Europeia.

“Não podemos aceitar a tese de que o Brasil não tem como se reindustrializar. Era assim durante 4 séculos, que nós éramos exportadores de commodities presos ao antigo regime colonial. Nós podemos [ter] e já tivemos uma base industrial diversificada”, destacou.

“Nós precisamos do BNDES para isso [reindustrializar]. Então, a parceria BNDES-Fiesp-CNI veio para ficar”, afirmou logo em seguida. As declarações foram feitas na abertura de uma série de seminários sobre economia promovidos pelo banco estatal nesta segunda-feira 20.

Mercadante tornou ainda a defender a participação do Estado no processo de reindustrialização que, segundo ele, precisa ser intenso nos próximos anos. Para ele, é um erro cogitar a possibilidade de que este caminho seja percorrido apenas pela iniciativa privada.

“É uma ingenuidade imaginar que vamos poder nos reindustrializar e disputar esses setores de ponta e inovação sem a participação do Estado e sem o banco público como o BNDES”, defendeu o presidente do banco.

Tolerância zero para o desmatamento

Ainda na abertura do evento, Mercadante prometeu cortar as linhas de crédito do BNDES para empresas suspeitas de envolvimento com desmatamento. A intenção, conta, é criar um protocolo que evite que a empresa possa acessar os empréstimos para não ter que agir só após ação do Ibama.

“Assim que qualquer empresário solicitar um financiamento agrícola nós vamos agir. […] Nós vamos bloquear o financiamento antes de entrar no banco e não depois que o Ibama for convocado, como era antes. É uma inovação muito importante”, disse Mercadante.

“Não podemos compactuar com desmatadores do clima e da humanidade. Não haverá mais nenhuma tolerância no BNDES”, reforçou em seguida.

Além dos bloqueios aos financiamentos de empresas com pendências ambientais, Mercadante destacou que, sob sua gestão, o banco irá financiar projetos que tenham uma cadeia produtiva limpa. A intenção, diz, é garantir a continuidade das transações comerciais com a União Europeia, que já começa a exigir rastreabilidade de produtos importados pelos países do bloco.

“Vamos financiar também produtos brasileiros que se apresentem como desmatamento zero, porque a rastreabilidade virá e nós precisamos modernizar a agenda e nos anteciparmos”, destacou o economista.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo