Economia

assine e leia

As ideias e as dúvidas

Economistas estabelecidos buscavam demonstrar a impossibilidade de acontecer aquilo que, de fato, ocorria

Keynes. O imoralismo keynesiano atingiu o ápice quando definiu a economia como uma ciência moral empenhada em buscar o bem-estar de mulheres e homens - Imagem: Biblioteca do Congresso EUA e Angela Weiss/AFP
Apoie Siga-nos no

Na terça feira 23 de agosto, foi-me concedida a ventura de reencontrar André Lara Resende em um debate na Unicamp. Companheiro de jornada nas desventuras do Plano Cruzado, André está sempre inquieto e desconfortável em camisas de força intelectuais. O título de seu novo livro – Camisa de Força Ideológica: a Crise da Macroeconomia –  aponta para a inconformidade com o aprisionamento dos economistas nos espartilhos da teoria dominante.

Depois de consistente argumentação, André reafirma no capítulo 17:  “A teoria monetária convencional está equivocada. Apesar de ter sido sistematicamente revisada desde a formulação original da Teoria Quantitativa da Moeda por David Hume, no século XVIII, até o desaparecimento completo da moeda e dos mercados financeiros nos modelos macroeconômicos contemporâneos, a teoria monetária continua em desacordo com a evidência dos fatos. Justamente quando os Bancos Centrais estão no auge de seu poder, a teoria macroeconômica perdeu o rumo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo