Autores e editoras disponibilizam obras sobre gênero gratuitamente

Ação é uma resposta à tentativa de censura ordenada pelo prefeito Marcelo Crivella durante a Bienal do Livro, no Rio de Janeiro

Autores e editoras disponibilizam obras sobre gênero gratuitamente

Diversidade

Em resposta à tentativa do prefeito Marcelo Crivella de censurar livros durante a Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, editoras e autores passaram a disponibilizar suas obras sobre a temática de gênero de maneira gratuita.

A Rico Editora, que tem entre suas publicações títulos como “Cor não tem gênero”, “Orgulho de Ser”, “Resilientes, em manifesto contra a LGBTfobia”, “Não inclui manual de instruções” e “Quem rabiscou aqui”, obras que compõem o selo #SeLiga, que busca mais representatividade às publicações, decidiu disponibilizar os conteúdos gratuitamente, via e-book, na Amazon. As obras podem ser adquiridas até a terça-feira 10.

“Queremos que mais e mais leitores conheçam nossos livros, autores e missão. Queremos que cada vez mais leitores se sintam representados nas páginas de nossos livros. Acreditamos que o mundo será um lugar melhor quando todos forem acolhidos por serem quem são. Vamos juntos nessa?”, publicou a editora em seu Instagram.

 

Ver essa foto no Instagram

 

A Rico Editora tem muito orgulho dos livros que publica. Acreditamos que histórias são capazes de transformar o mundo em um lugar melhor e a diversidade é e sempre foi um dos nossos pilares mais importantes. Nosso selo jovem, #SeLiga, foi criado especialmente para trazer mais representatividade às obras. Sempre trabalhamos nesse mercado contra a corrente e agora não seria diferente. Em reposta a tentativa de censura do prefeito Marcelo Crivella durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, disponibilizaremos nossos e-books LGBT+ 🏳️‍🌈 gratuitamente nos dias 08, 09 e 10 de setembro. Queremos que mais e mais leitores conheçam nossos livros, autores e missão. Queremos que cada vez mais leitores se sintam representados nas páginas de nossos livros. Acreditamos que o mundo será um lugar melhor quando todos forem acolhidos por serem quem são. Vamos juntes nessa? 🌈

Uma publicação compartilhada por RICO (@ricoeditora) em

Autores também embarcaram no movimento como forma de criticar a iniciativa de Crivella – ainda que a HQ mencionada pelo prefeito tivesse esgotada na feira, isso não impediu que a Bienal fosse vasculhada por uma equipe da prefeitura em busca de “conteúdo pornográfico”, conforme anunciado. Ao fim da operação, nenhum título foi recolhido.

Willian Fernandes Pereira, autor do livro “As Chaves do Armário”, também vai disponibilizar a obra gratuitamente, via Amazon, até o dia 13 de setembro. O livro aborda o tema a partir de uma análise da psiquê humana, buscando explicar dados que ainda alarmam a população LGBT: “somente em 2018, foram mais de 400 homicídios de LGBTs, uma média de 35 por mês”, considera o livro.

A também autora Karla Lima, que assina os livros “Armário sem Portas” e “Armário sem Portas 2”, juntamente com Pya Pêra, e a obra “Muito Prazer, vozes da Diversidade”, vai doar os livros até o fim do estoque, conforme anunciou em um post no Facebook. Na publicação, ela chama a ação de Crivella de “recolhimento seletivo”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem