Cultura

Os vencedores das principais categorias do Oscar

“Oppenheimer”, de Christopher Nolan, foi o grande vencedor da noite com sete estatuetas, enquanto “Pobre Criaturas” ganhou quatro

Foto: PEDRO UGARTE / AFP
Apoie Siga-nos no

Segue a lista dos vencedores das principais categorias da 96ª edição do Oscar, que foram entregues em Hollywood neste domingo (10).

“Oppenheimer”, de Christopher Nolan, foi o grande vencedor da noite com sete estatuetas, enquanto “Pobre Criaturas” – uma abordagem feminina da história de Frankenstein – ganhou quatro.

  • Melhor filme: “Oppenheimer”
  • Melhor diretor: Christopher Nolan, “Oppenheimer”
  • Melhor ator: Cillian Murphy, “Oppenheimer”
  • Melhor atriz: Emma Stone, “Pobres Criaturas”
  • Melhor ator coadjuvante: Robert Downey Jr., “Oppenheimer”
  • Melhor atriz coadjuvante: Da’Vine Joy Randolph, “Os Rejeitados”
  • Melhor roteiro original: Justine Triet e Arthur Harari, “Anatomia de uma Queda”
  • Melhor roteiro adaptado: Cord Jefferson, “Ficção Americana”
  • Melhor filme internacional: “Zona de Interesse” (Reino Unido)
  • Melhor longa de animação: “O Menino e a Garça”
  • Melhor documentário: “20 Dias em Mariupol”
  • Melhor trilha sonora original: Ludwig Goransson, “Oppenheimer”
  • Melhor canção original: Billie Eilish e Finneas O’Connell, “What Was I Made For?” da trilha sonora de “Barbie”
  • Melhor fotografia: Hoyte van Hoytema, “Oppenheimer”
  • Melhor edição de filme: Jennifer Lame, “Oppenheimer”
  • Melhor maquiagem e penteado: “Pobres Criaturas”
  • Melhor figurino: “Pobres Criaturas”
  • Melhor design de produção: “Pobres Criaturas”
  • Melhor som: “Zona de Interesse”
  • Melhores efeitos visuais: “Godzilla Minus One”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo