Cultura

Chico Buarque ironiza Paulo Guedes e processo contra Eduardo Bolsonaro em show no Rio

O espetáculo, realizado na quinta-feira 5, faz parte da turnê ‘Que Tal Um Samba?’

O cantor e compositor Chico Buarque. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

O cantor e compositor Chico Buarque ironizou o ex-ministro da Economia Paulo Guedes e um processo contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) durante um show no Rio de Janeiro na quinta-feira 5. O espetáculo faz parte da turnê Que Tal Um Samba?.

A disputa judicial gerou polêmica em novembro, quando uma decisão questionou a autoria da música Roda Viva após Chico pedir que Eduardo retirasse a canção de uma postagem em redes sociais. Em dezembro, uma decisão de Fernando Rocha Lovisi, do 6º Juizado Especial Cível do Rio de Janeiro, deu razão a Chico e determinou que o filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) excluísse a publicação.

“Com instrumentistas desse naipe eu tenho que caprichar é muito meu violãozinho”, disse Chico na apresentação. “Posso ratear, esquecer uma parte de uma letra. Pensei em instalar um teleprompter. Mas aí podem dizer, se eu não sei as letras, não sei tocar, que eu não sou o autor: ‘Prova que é sua'”.

Na decisão de novembro, desfavorável ao artista, a magistrada Mônica Ribeiro Teixeira, do 6º Juizado Especial Cível da Comarca da Capital Lagoa, no Rio de Janeiro, alegou faltar “documento hábil a comprovar os direitos autorais do requerente sobre a canção ‘Roda Viva’”.

No show da última quinta, Chico Buarque também fez menção a boatos de que compraria suas músicas. Ele disse não admitir a acusação e brincou: “mas posso vender”. Trata-se de uma referência a um dos versos de Bancarrota Blues.

O verso “posso vender” se repete ao longo de toda a canção. Ao final dela, Chico emendou: “Essa também não é minha. É do Paulo Guedes”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo