Augusto Diniz | Música brasileira

Jornalista há 25 anos, Augusto Diniz foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Augusto Diniz | Música brasileira

Arnaldo Antunes grava álbum em voz e piano e canta tempos incertos

Disco com quatro inéditas e o 1º nesse formato revela introspecção do artista

Vitor Araújo e Arnaldo Antunes. Foto: José de Holanda/Divulgação
Vitor Araújo e Arnaldo Antunes. Foto: José de Holanda/Divulgação
Apoie Siga-nos no

No álbum O Real Resiste, lançado um pouco antes da pandemia em 2020, Arnaldo Antunes já se apresentava em tom reflexivo. Era o seu 18º álbum solo e destoava do anterior, o RSTUVXZ (2018), de som mais pesado circulando entre sambas e rocks.

Chega agora o Lágrimas no Mar, dando continuidade ao que havia feito há dois anos, com acentuação ainda mais intimista. O músico gravou o trabalho em voz e piano. O som do piano é do jovem pernambucano Vitor Araújo.

O pianista já estava programado para fazer os shows relativos ao disco O Real Resiste – na gravação do álbum, quem tocou piano foi Daniel Jobim, neto de Tom Jobim. Os shows no formato presencial não deslancharam por causa da pandemia, e Vitor Araújo se restringiu a fazer lives do trabalho.

Mas ele e Arnaldo Antunes desenvolveram tanta sintonia que no fim realizaram um álbum de nove faixas, sendo quatro inéditas. O pianista elaborou os seus próprios arranjos.

O trabalho Lágrimas no Mar tem um clima nebuloso em tempos incertos. Como o último disco solo de Arnaldo, foi gravado em seu estúdio em meio à natureza em uma casa de campo no interior de São Paulo. É a primeira vez que o artista grava um trabalho de voz e piano.

Arnaldo segue com voz enfática e visceral. Vitor explora bem as possibilidades do piano, saindo do recital. Ambos dialogam confortavelmente no álbum.

O disco tem quatro inéditas: a faixa-título Lágrimas no Mar (Pedro Baby – que participa da faixa com violão de nylon e guitarra -, João Moreira, Arnaldo Antunes e Marcia Xavier), Enquanto Passa Outro Verão (César Mendes e Arnaldo), Umbigo (Cézar Mendes e Arnaldo) e A Não Ser (Arnaldo, Alice Ruiz e João Bandeira).

Nos primeiros versos da canção Lágrimas no Mar, a dúvida: “Pode ser pra toda vida / Mas também pode acabar / Numa triste despedida / Ou talvez deva durar”.

Arnaldo Antunes gravou uma canção com Erasmo Carlos, Manhãs de Love – Erasmo já havia registrado, mas Arnaldo não. Regravou Longe (Arnaldo, Betão Aguiar e Marcelo Jeneci) e Fora de Si (só do Arnaldo) – esta última, com os versos: “Eu fico louco / Eu fico fora de si / Eu fica assim /  Eu fica fora de mim”.

Registrou ainda uma música de Itamar Assumpção, Fim de Festa, e uma de Caetano Veloso, Como 2 e 2 – nessa canção do baiano interpretada por Arnaldo Antunes, uma síntese do disco: “Meu amor, tudo em volta está deserto, tudo certo / Tudo certo como dois e dois são cinco…” Arnaldo Antunes se inseriu numa fase de imprecisões como o tempo em que vivemos.

Augusto Diniz

Augusto Diniz
Jornalista há 25 anos, com passagem em diversas editorias. Foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.