CartaExpressa

‘Verde periquito’: Moraes ironiza Hang em condenação de Bolsonaro por abuso no 7 de Setembro

No Bicentenário da Independência, o empresário teve espaço de destaque ao lado do então presidente, de quem foi um ferrenho apoiador

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, fez referências irônicas ao empresário Luciano Hang, dono das lojas Havan, durante o julgamento em que a Corte declarou a inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ex-candidato a vice-presidente Walter Braga Netto.

As condenações decorrem de abusos cometidos pela dupla no 7 de Setembro de 2022. Naquela ocasião, Hang teve espaço de destaque ao lado de Bolsonaro, de quem foi um ferrenho apoiador.

“O presidente simplesmente afastando o presidente de Portugal e chamando o seu cabo eleitoral, vestido com a sua tradicional vestimenta verde periquito, para fazer campanha”, disse Moraes.

Trata-se de uma referência ao ato realizado em Brasília – depois, Bolsonaro participou de um evento no Rio de Janeiro. Na capital federal, Hang subiu à tribuna e ficou entre o ex-capitão e o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

“Se não bastasse a primeira vergonha, do verde periquito, nós tivemos a segunda. Desfile de tratores em um ato cívico-militar. Será que se atletas de bicicleta pedissem, ou carros antigos… Tratores por quê? Para demonstrar apoio.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar