CartaExpressa

Valdemar diz que ‘não vai admitir injustiça’ contra Bolsonaro e que ex-presidente será candidato em 2026

A avaliação do cacique do Centrão ‘ignora’ a provável decisão contrária ao ex-capitão no Tribunal Superior Eleitoral; em poucos dias, a Corte poderá tornar Bolsonaro inelegível por abuso de poder político

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, à frente de um banner com Bolsonaro. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, voltou a defender o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) nas redes sociais. Em vídeo publicado na noite desta quinta-feira 22, horas após a justiça Eleitoral concluir o primeiro dia de julgamento que pode tornar o ex-capitão inelegível, o cacique do Centrão ‘ignorou’ o fato e prometeu lançar Bolsonaro como candidato ao Planalto em 2026.  

“Não vamos admitir injustiça com o nosso capitão”, disse Costa Neto. O questionamento a decisões judiciais, importante registrar, especialmente as tomadas por tribunais superiores, é uma tônica do bolsonarismo nos últimos anos. 

Para o líder da sigla, Bolsonaro será candidato e reeleito em 2026. “Todos nós temos um objetivo em comum, que é reeleger Bolsonaro e fazer valer os valores da direita”. Mais adiante ele insiste na análise: “Bolsonaro vai seguir firme e tenho convicção de que será nosso candidato”.

Chama a atenção o fato de que nem mesmo Bolsonaro parece ter convicção de que a ‘previsão’ de Costa Neto vai se concretizar. Também na quinta-feira, o ex-presidente tornou a dizer ser muito difícil ter um resultado favorável a ele no TSE. Ele chegou a dizer que ‘não iria se iludir’ em torno do tema.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.