CartaExpressa

TSE nega acusações de ex-servidor e diz que exoneração se deu por assédio moral

Nesta quarta, o ex-assessor disse à PF que comunicou ao TSE supostas ‘falhas de fiscalização e acompanhamento na veiculação de inserções da propaganda eleitoral gratuita’; a Corte nega

A sede do TSE, em Brasília. Foto: LR Moreira/Secom/TSE
Apoie Siga-nos no

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) chamou de “falsas e criminosas” as alegações feitas por um ex-servidor à Polícia Federal (PF) nesta quarta-feira 26, de que comunicou a Corte sobre supostas falhas na fiscalização das propagandas eleitorais no rádio e na TV.

“As alegações feitas pelo servidor em depoimento perante a Polícia Federal são falsas e criminosas e, igualmente, serão responsabilizadas”, declarou a Corte, em nota.

Ainda segundo o TSE, a exoneração de Alexandre Gomes Machado foi motivada por indícios de “reiteradas práticas de assédio moral, inclusive por motivação política”.

Machado foi demitido do cargo de assessor de gabinete da Secretaria Judiciária da Secretaria-Geral da Presidência do TSE na última terça-feira 25. O setor é responsável pela coordenação do grupo de emissoras que transmitem a propaganda eleitoral no rádio e TV.

Nesta quarta, o ex-assessor disse à PF que informou ao TSE supostas “falhas de fiscalização e acompanhamento na veiculação de inserções da propaganda eleitoral gratuita”. A Corte, no entanto, diz que não recebeu nenhum comunicado.

“Ao contrário do informado em depoimento, a chefia imediata do servidor esclarece que nunca houve nenhuma informação por parte do servidor”, declara.

A demissão de Machado acontece em meio às denúncias feitas pela campanha de Jair Bolsonaro (PL) de que algumas rádios do Nordeste estariam “priorizando” as inserções de Lula (PT) em detrimento às do ex-capitão

Na terça-feira, a coligação de Bolsonaro entregou uma nova manifestação ao TSE sobre o caso.

Na segunda-feira, o ministro das Comunicações Fábio Faria disse que seriam 154 inserções a mais a favor de Lula. A manifestação da campanha enviada à Corte lista cerca de 700 emissoras de rádio e TV que teriam praticado o ilícito.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.