CartaExpressa

STF prorroga conclusão de investigação sobre ofensas contra Alexandre de Moraes em Roma

Toffoli também retirou o sigilo dos autos, mantendo apenas em relação às imagens

O ministro do STF Alexandre de Moraes. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu ampliar o prazo para a conclusão das investigações sobre as agressões contra o ministro Alexandre de Moraes no aeroporto de Roma. A decisão foi divulgada nesta quarta-feira 4.

Segundo a Polícia Federal, que pediu ao STF a prorrogação das investigações, é necessário mais tempo para concluir a análise das imagens enviadas pelas autoridades italianas.

Além disso, na decisão, Toffoli também retirou o sigilo dos autos, mantendo apenas em relação às imagens. Elas ficarão disponíveis somente para as partes e para analistas ou peritos indicados pela PF, para eventuais diligências complementares.

Relembre o caso

No dia 14 de julho, Moraes foi hostilizado por um grupo de brasileiros no Aeroporto Internacional de Roma. Segundo o inquérito da PF, em determinado momento, o empresário Roberto Mantovani “parece” ter batido com as costas da mão em Alexandre Barci, filho de Moraes.

“Os óculos chegam a cair ao chão devido a uma discreta esquiva da vítima”, afirma o inquérito, conforme reportagem da TV Globo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar