CartaExpressa

STF abre inquérito contra Zambelli por perseguição armada em São Paulo

A decisão, sigilosa, partiu do ministro Gilmar Mendes, nesta sexta-feira 3

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes instaurou, nesta sexta-feira 3, um inquérito contra a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP). A investigação, que está sob sigilo, mira o episódio em que a parlamentar bolsonarista perseguiu – armada – uma pessoa em São Paulo, na véspera do segundo turno da eleição de 2022.

Em 25 de janeiro, a Procuradoria-Geral da República denunciou Zambelli ao STF por porte ilegal de arma de fogo. Na peça, a vice-PGR Lindôra Araújo solicita o cancelamento do porte de arma da deputada e sua condenação ao pagamento de multa no valor de 100 mil reais por danos morais coletivos.

Zambelli entregou a arma à Polícia Federal, após ordem do STF, em dezembro. A Corte também autorizou uma operação de busca e apreensão em endereços ligados à bolsonarista. Durante a ação, a PF encontrou outras três pistolas.

Em 29 de outubro, véspera do segundo turno da eleição, a deputada causou espanto ao sacar uma arma em público e perseguir um homem na capital paulista. A cena foi gravada e circulou nas redes sociais.

Nas imagens, é possível ver pessoas correndo e a bolsonarista com a arma em punho, entrando em uma lanchonete e ordenando, aos gritos, que um homem negro deitasse no chão. Em outro registro, nota-se um estampido.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar