CartaExpressa

Os únicos parlamentares do PT a votarem pela queda do veto de Lula sobre a ‘saidinha’

No PSB, partido do vice-presidente Geraldo Alckmin, também houve votos para derrubar o veto

O presidente Lula (PT). Foto: Joédson Alves/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Maria do Rosário (RS) e o senador Fabiano Contarato (ES) foram os únicos parlamentares do PT a votarem nesta terça-feira 28 por derrubar o veto parcial do presidente Lula (PT) à lei que acaba com a saída temporária de presos do regime semiaberto para visitar as famílias.

No PSB, partido do vice-presidente Geraldo Alckmin, também houve votos pela queda do veto, vindos dos deputados Duarte Jr. (MA), Lucas Ramos (PE) e Tabata Amaral (SP), além dos senadores Chico Rodrigues (RR) e Flavio Arns (PR).

Por outro lado, algumas figuras de oposição, a exemplo do deputado Aécio Neves (PSDB-MG), votaram por manter o veto.

Para o governo federal, a proibição é inconstitucional e a manutenção de visita esporádica à família “minimiza os efeitos do cárcere e favorece o paulatino retorno ao convívio social”. Em abril, a Defensoria Pública da União afirmou que as mudanças promovidas pelo Legislativo têm potencial de criar “instabilidades nos presídios brasileiros” e afrontam “o princípio da dignidade da pena”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.