CartaExpressa

Sem Moro na disputa, Lula venceria no primeiro turno, aponta Ipespe

No cenário que não considera a candidatura do ex-juiz, as intenções de voto do ex-presidente superam a somatória de todos os demais cotados

O ex-presidente Lula e o ex-juiz Sergio Moro. Fotos: Ricardo Stuckert e Nelson Almeida/AFP
O ex-presidente Lula e o ex-juiz Sergio Moro. Fotos: Ricardo Stuckert e Nelson Almeida/AFP
Apoie Siga-nos no

De acordo com a nova pesquisa Ipespe, divulgada nesta quarta-feira 27, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venceria no primeiro turno as eleições de outubro de 2022 caso não enfrentasse Sergio Moro (Podemos) na disputa.

Isso porque, a candidatura do ex-juiz garantiria 2 pontos a mais na somatória de todos os outros candidatos, que chegariam a 45%, superando os 44% de Lula. Ainda assim, a performance do ex-juiz não o levaria ao segundo turno, que seria disputado entre o petista e Jair Bolsonaro (PL), caso os resultados da Ipespe se confirmassem.

Veja os números:

No cenário com Moro, Lula tem 44%, Bolsonaro 24% e Moro 8%. Os mesmos 8% são registrados por Ciro Gomes (PDT) e João Doria (PSDB) tem 2%. Os candidatos Simone Tebet (MDB), Rodrigo Pacheco (PSD) e Alessandro Vieira chegam a 1% cada. Felipe D’avila (Novo) fica com 0%.

Neste cenário, portanto, os 44% de Lula não superam a somatória de todos os demais candidatos, de 45%.

Já com a saída de Moro da pesquisa, Lula manteria os 44%, Bolsonaro subiria 2 pontos percentuais, chegando a 26%, e Ciro marcaria 9%. Doria pula de 2% para 4% e os demais candidatos, incluindo Felipe D’avila, marcam 1 ponto cada.

Este resultado faria os 44% do ex-presidente superar a soma de todos os demais candidatos, que juntos chegariam a 43 pontos percentuais.

Recentemente, o site Jota, com base em resultados de diferentes pesquisas, calculou em 12,5% a possibilidade de Lula vencer a eleição ainda no primeiro turno. O cientista político Christian Lynch, em entrevista ao programa Direto da Redação, no canal do Youtube de CartaCapital, também destacou as boas chances do petista nem precisar de segundo turno para ser eleito. Conforme destacou na conversa, uma aliança com o ex-governador Geraldo Alckmin poderia dar ainda mais força a essa possibilidade.

Caso precise de um segundo turno para se sagrar presidente pela terceira vez, Lula, segundo a mesma Ipespe, venceria todos os candidatos por pelo menos 19 pontos percentuais de diferença.

Para chegar aos resultados, o instituto entrevistou mil pessoas por telefone em todas as regiões do Brasil. A pesquisa foi realizada entre os dias 24 e 25 de janeiro e apresenta uma margem de erro de 3,2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95,5%.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.