CartaExpressa,Política

‘Se o povo decidir que é Lula, tá decidido e morreu o assunto’, diz Temer

‘Se o povo decidir que é Lula, tá decidido e morreu o assunto’, diz Temer

'Eu não teria nenhuma objeção', afirmou o ex-presidente sobre possível vitória do petista em 2022

‘Se o povo decidir que é Lula, tá decidido e morreu o assunto’, diz Temer

O ex-presidente Michel Temer (MDB) em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite de segunda-feira 27, afirmou que não considera necessário evitar que Lula (PT) seja eleito presidente em 2022. Para o emedebista, se o retorno for decidido pelo povo, o assunto estará encerrado.

“Acho que essa é uma decisão do povo. É o povo quem tem que decidir. Por exemplo: se for se basear na pesquisa atual, tudo indica que boa parte dos votos irão para o Lula, não é? Eu não teria nenhuma objeção… Se o povo decidir que é o Lula, tá decidido e morreu o assunto”, respondeu ao ser questionado se compartilhada da ideia de ‘evitar o retorno’ do petista.

A pesquisa a qual Temer se refere é a do Instituto Ipec, que na quarta-feira 22 apontou Lula com ampla vantagem sobre Bolsonaro, com chances de vencer ainda no primeiro turno na disputa do ano que vem.

Na conversa, o emedebista reforçou a versão de que ele foi chamado por Bolsonaro para escrever a carta de recuo publicada pelo presidente após os atos de 7 de setembro. Em entrevistas recentes, o ex-capitão afirmou que Temer foi quem o procurou com o texto.

Ainda sobre a carta, o ex-presidente disse que a intenção não foi ‘salvar Bolsonaro de um impeachment’, mas sim ‘distensionar o País. Recentemente, Temer afirmou que ‘nos bastidores’ da produção da nota havia um clima de temor pelo impedimento no Planalto.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem