CartaExpressa

Regulação das redes sociais tem aprovação da maior parte dos brasileiros, revela pesquisa

Objeto principal do PL das Fake News, o controle de conteúdos em redes sociais e aplicativos de mensagens é considerado uma medida democrática por 49% dos entrevistados no levantamento da CNT/MDA

Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

A maioria dos brasileiros concorda com a necessidade de estabelecer uma regulamentação sobre os conteúdos publicados em redes sociais e aplicativos de mensagens. A conclusão é da pesquisa divulgada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) nesta terça-feira 16. O levantamento foi feito pela empresa MDA.

De acordo com os dados, 51% dos entrevistados consideram ‘necessária a regulação ou controle da comunicação em aplicativos de mensagens, sites e plataformas com mecanismos de busca’. Só 38% apontam a posição contrária e outros 11% não sabem responder.

Ainda sobre o tema, a pesquisa monitorou a avaliação da medida. O entendimento de que a regulamentação é uma ação democrática também foi compartilhado pela maior parte dos brasileiros. Ao todo, 49% fazem esta indicação. 38% dizem considerar o controle uma medida não democrática.

Os dados mostram também que o PL das Fake News, que tramita no Congresso Nacional e objetiva regulamentar as redes sociais e conteúdos da internet, tem amplo conhecimento dos brasileiros. 63% apontam contato com a proposta. Outros 33% dizem desconhecer o projeto.

A pesquisa, que também monitorou a avaliação geral do governo Lula (PT), foi divulgada nesta terça-feira e contou com 2.002 entrevistas presenciais em todo o País. A coleta foi realizada entre os dias 11 e 14 de maio e tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais. Já o nível de confiança do levantamento é de 95%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar