CartaExpressa

R$ 17 milhões recebidos por Bolsonaro via Pix podem ser bloqueados, diz diretor da PF

O ex-presidente embolsou o montante no primeiro semestre, a partir de aproxidamente 769 mil transações

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Silvio Avila/AFP
Apoie Siga-nos no

O diretor-geral da Polícia Federal, Andrei Rodrigues, afirmou nesta sexta-feira 25 que os 17 milhões de reais recebidos via Pix pelo ex-presidente Jair Bolsonaro podem ser bloqueados, caso apareçam indícios a despertar “desconfiança”.

Segundo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, Bolsonaro recebeu o montante entre 1º de janeiro e 4 de julho, a partir de aproxidamente 769 mil transações.

De acordo com o Coaf, a movimentação “atípica” pode ter relação com uma campanha de doações organizada em junho por apoiadores. À época, aliados disseram nas redes sociais que o dinheiro seria usado para pagar multas.

“Nós estamos recebendo agora os dados bancários e fazendo análise desses 17 milhões de reais – e aí são milhões de transações”, disse Rodrigues em entrevista ao UOL. “Ou seja, há possibilidade legal do bloqueio, sim, se houver qualquer suspeição de que não sejam transações normais, que levantem alguma margem de desconfiança.”

O Coaf também identificou que Bolsonaro aportou 17 milhões de reais em investimentos de renda fixa, montante equivalente aos recursos embolsados via Pix. Os investimentos milionários ocorreram em títulos de CDB e RDB.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar