CartaExpressa,Política

Queiroga deixa entrevista ao ser questionado sobre a Covaxin

Queiroga deixa entrevista ao ser questionado sobre a Covaxin

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Evaristo Sá/AFP

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Evaristo Sá/AFP

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, encerrou uma entrevista nesta quarta-feira 23, no Palácio do Planalto, após ser questionado sobre a Covaxin, vacina indiana que entrou na mira da CPI da Covid e do Ministério Público Federal.

“Todas as vacinas que têm registro definitivo da Anvisa o ministério considera para aquisições. Então esperamos esse tipo de posicionamento para tomar uma posição acerca não só dessa vacina, mas de qualquer outra vacina que obtenha registro emergencial ou definitivo, porque já temos hoje número de doses de vacinas contratadas acima de 630 milhões, e o governo federal tem feito a campanha de vacinação acelerar. Em setembro, teremos todos os brasileiros acima de 18 anos vacinados com a 1ª dose e, até o final do ano, teremos a população brasileira acima de 18 anos vacinada”, disse Queiroga.

A seguir, questionado por um jornalista se o governo de Jair Bolsonaro compraria o imunizante com um preço acima da média, Queiroga foi ao ataque.

“Eu falei em que idioma? Falei em português. Então, não foi comprada uma dose sequer da vacina Covaxin, nem da Sputnik. Futuro é futuro”.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem