CartaExpressa

PT e PSB tentam acordo, mas admitem que candidatura única em alguns estados é improvável

Disputas têm gerado discordâncias principalmente em São Paulo, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro

Gleisi Hoffmann, Lula, Carlos Siqueira e Geraldo Alckmin durante o Congresso do PSB. Foto: Ricardo Stuckert
Gleisi Hoffmann, Lula, Carlos Siqueira e Geraldo Alckmin durante o Congresso do PSB. Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

Após confirmada a aliança nacional entre PT e PSB, os partidos voltam a atenção para as eleições nos estados, que têm gerado discordâncias principalmente em São Paulo, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

Dirigentes das legendas que estiveram juntos na noite de quinta-feira 28 em Brasília, durante o Congresso do PSB, afirmaram que as negociações para candidaturas únicas continuam, mas é improvável que ocorra uma união em alguns estados.

“Temos que trabalhar, mas em alguns estados é impossível”, reconheceu o senador Humberto Costa (PT-PE) em conversa com CartaCapital. “Mas também é possível fazer uma campanha [sem agressão] para que no segundo turno possamos estar unidos”.

O parlamentar foi um dos pré-candidatos a governador a retirar seu nome da disputa em prol da aliança. Em seu estado, Pernambuco, PT e PSB fecharam um acordo para apoiar Danilo Cabral (PSB) para o executivo estadual.

Em São Paulo, o PT pretende lançar o ex-prefeito Fernando Haddad e o PSB defende a candidatura de Márcio França. Nesta quinta, o pessebista ressaltou que ainda há tempo para se definir as chapas e não descartou um acordo com o petista. “Não vamos colocar o interesse de São Paulo acima do Brasil”, declarou após o evento.

Já no Espírito Santo, o senador Fabiano Contarato (PT) se lançou como pré-candidato. No entanto, o atual governador, Renato Casagrande (PSB), confirmou que disputará a reeleição. A CartaCapital, Casagrande disse haver conversas para um acordo, mas não exclui a possibilidade de disputar o cargo com o petista.

No Rio de Janeiro, embora a aliança tenha Marcelo Freixo (PSB) como pré-candidato ao governo, há divergências na disputa pela vaga no Senado. O PSB quer Alessandro Molon, enquanto os petistas lançaram André Ceciliano, que chegou a dizer que o seu partido pode tirar o apoio formal a Freixo caso Molon mantenha a campanha.

O PT, no Rio Grande do Sul, lançou a pré-candidatura do deputado estadual Edegar Pretto, mas o PSB quer emplacar o ex-deputado federal Beto Albuquerque na corrida pelo Palácio do Piratini.

Nacionalmente, os partidos confirmaram a chapa com Lula (PT) para presidente e Geraldo Alckmin (PSB) para vice. No Congresso do PSB, o petista defendeu a aliança.

“‘Ah, o Lula e o Alckmin já divergiram, então por que estão juntos’? Porque isso se chama política, se chama maturidade, se chama compromisso com o País e com o povo brasileiro”, declarou Lula. “Nunca foi tão necessário a gente ganhar uma eleição, para restabelecer a dignidade e a esperança e fazer as pessoas perceberem que é possível sonhar e transformar o sonho em realidade.”

Antes do ex-presidente, Alckmin afirmou que “pelos brasileiros e pelo Brasil é que nós temos o dever de estar unidos, de lutar e de vencer.”

 

Alisson Matos

Alisson Matos
Editor do site de CartaCapital. Twitter: Alisson_Matos

Tags: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.