CartaExpressa

Primeiras doses de vacinas bivalentes contra a Covid chegam ao Brasil

A indicação é de que o imunizante seja utilizado como dose se reforço em grupos de maior risco, como idosos, imunossuprimidos e gestantes

Profissional de saúde manuseia vacina da Pfizer. Foto: Thomas Lohnes/AFP
Apoie Siga-nos no

As primeiras vacinas bivalentes da Pfizer contra a Covid-19 chegaram nesta sexta-feira 9 ao Brasil. O lote é composto por 1,4 milhão de doses.

A expectativa é de que até o início da semana que vem o Brasil conte com 4,5 milhões de doses, já que uma nova remessa deve ser entregue entre o domingo 11 e a segunda-feira 12. Outras 4,4 milhões de vacinas bivalentes são esperadas até 19 de dezembro.

O imunizante disponibilizado utiliza a cepa original do Sars-CoV-2 e a variante Ômicron BA.1. A Pfizer também desenvolveu outra vacina com as subvariantes BA.4 e BA.5 e prevê disponibilizar ao Brasil 27,4 milhões de doses desse tipo.

Somando as duas, o Brasil contará com 36,3 milhões de doses da vacina bivalente.

A recomendação fornecida ao Ministério da Saúde por especialistas da Câmara Técnica Assessora em Imunizações é de que as vacinas sejam utilizadas como dose se reforço em grupos de maior risco, como idosos, imunossuprimidos e gestantes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar