CartaExpressa

Presidente da CPMI do 8 de Janeiro ameaça levar bolsonarista ao Conselho de Ética por ‘tumulto’

A comissão ouviu nesta quinta investigadores e investigados ligados à tentativa de ataque a bomba no Aeroporto de Brasília

O presidente da CPMI do 8 de Janeiro, Arthur Maia. Foto: Reprodução/TV Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente da CPMI do 8 de Janeiro, deputado Arthur Maia (União-BA), ameaçou levar ao Conselho de Ética da Câmara o deputado bolsonarista Abilio Brunini (PL-MT), autor de uma série de interrupções durante a sessão desta quinta-feira 22.

“Vou encaminhar o nome de Vossa Excelência ao Conselho de Ética. Eu não vou permitir que Vossa Excelência fique tumultuando esses trabalhos da CPI. Vossa Excelência não vai conseguir isso”, disse Maia a Brunini, que não é integrante da comissão.

Pouco antes, o bolsonarista havia questionado a exibição de um vídeo solicitada pelo deputado Rogério Correia (PT-MG). Diante da impossibilidade de o petista concluir seu raciocínio, Maia fez o alerta a Brunini e foi aplaudido por uma parte dos presentes.

A CPMI ouviu nesta quinta investigadores e investigados ligados à tentativa de ataque a bomba no Aeroporto de Brasília, em dezembro, às vésperas da posse de Lula (PT).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.