CartaExpressa

PGR abre procedimento para apurar declarações de Monark e Kim Kataguiri sobre o nazismo

O teor das declarações será analisado pela assessoria criminal de Augusto Aras, já que o episódio envolve um parlamentar com prerrogativa de foro

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O procurador-geral da República, Augusto Aras, determinou nesta terça-feira 8 a instauração de procedimento para apurar a prática de eventual crime de apologia ao nazismo pelo deputado federal Kim Kataguiri (Podemos/SP) e pelo apresentador do Flow Podcast Bruno Monteiro Aiub, conhecido como Monark.

Durante o episódio veiculado na segunda-feira 7, Monark defendeu a legalidade de um partido nazista no Brasil. Já o parlamentar, diz comunicado da PGR, “teria afirmado que foi um erro a Alemanha ter criminalizado o partido nazista”.

O teor das declarações será analisado pela assessoria criminal de Augusto Aras, já que o caso envolve um parlamentar com prerrogativa de foro no Supremo Tribunal Federal.

Em manifestação sobre o episódio nas redes sociais, a Associação Nacional dos Procuradores da República registrou que “o direito à liberdade de expressão não é absoluto. Ainda mais quando o objetivo do discurso é pregar a inferiorização ou exclusão de outras pessoas. Repudiar o nazismo é uma tarefa permanente, que deve ser reiterada todos os dias”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar