CartaExpressa

Os índices de aprovação do governo Lula, segundo pesquisa Ipespe/Febraban

O levantamento também mediu o otimismo da população sobre os próximos meses

O presidente Lula. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo Lula (PT) é classificado como bom ou ótimo por 40% dos brasileiros, aponta uma pesquisa Ipespe/Febraban divulgada nesta terça-feira 28. 28% dizem que a gestão é ruim ou é péssima, enquanto 27% a veem como regular e 5% não responderam.

51% dizem aprovar o governo, ante 36% que o desaprovam e 13% que não responderam. A aprovação, conforme o levantamento, é mais expressiva entre os jovens de 18 a 24 anos (58%).

A pesquisa ainda mostra que 49% dos brasileiros acreditam que o governo Lula será bom ou ótimo no restante de 2023, um aumento de quatro pontos percentuais em relação a dezembro. Para 25% (eram 31%), ele será ruim ou péssimo e para 21% (eram 16%) será regular.

Ipespe/Febraban também capturou uma dimensão pessoal e familiar. 73% dos brasileiros acreditam que a vida vai melhorar em 2023 (eram 74% em dezembro). O otimismo se mantém acima de 60% em todos os recortes sociodemográficos.

55% apostam, por fim, que o Brasil vai melhorar neste ano, uma oscilação negativa de 2 pontos em relação a dezembro.

O instituto entrevistou 2.000 pessoas de todas as regiões do País entre 4 e 14 de fevereiro. A margem de erro máxima estimada é de 2,2 pontos percentuais, considerando um intervalo de confiança de 95,5%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.