CartaExpressa

Organizador de atos descumpre decisões do STF e participa de live

Na transmissão ao vivo, Zé Trovão confirma que está organizando atos no dia 7 de setembro e desafia a Polícia Federal a prendê-lo

Zé Trovão durante transmissão ao vivo nas redes sociais do blogueiro Oswaldo Eustáquio. 

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Zé Trovão durante transmissão ao vivo nas redes sociais do blogueiro Oswaldo Eustáquio. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, descumpriu ao menos duas decisões do Supremo Tribunal Federal no último domingo 29 ao participar de uma transmissão ao vivo no canal do blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio.

Zé Trovão é investigado por organizar atos antidemocráticos para o dia 7 de setembro, incitar ameaças contra ministros e pedir o fechamento do Congresso. Ele foi proibido pelo ministro Alexandre de Moraes de usar as redes sociais ou aparecer em perfis de terceiros. A decisão ainda proíbe o contato com outros investigados, determinação que também foi descumprida durante a transmissão.

Ao lado de Zé Trovão aparece Wellington Macedo, outro investigado pelo STF. Eustáquio também é alvo em outro inquérito da Procuradoria-Geral da República por incitar atos antidemocráticos.

Durante a live, ele ainda afirmou que pode descumprir outra determinação da Corte que o proibiu de se aproximar de Brasília no dia 7 de setembro.

“Em algum canto do Brasil eu vou aparecer. Talvez seja na [Avenida] Paulista, talvez seja em Brasília, talvez seja em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte”, afirmou, desafiando a Polícia Federal logo em seguida.

“Se prepara, meu amigo, porque se quiserem me prender no dia 7 de setembro, vão me prender no meio do povo”, desafia o caminhoneiro.

Segundo contou ao blogueiro, seu plano é ‘parar tudo’ e bloquear as estradas a partir das 6 horas do dia 7 de setembro. Na explicação, ele confirma sua participação como organizador dos atos.

Com Zé Trovão também estava o advogado Levi Andrade, responsável pela defesa do caminhoneiro. Andrade justificou a participação, alegando que, na sua interpretação, ela não caracterizaria o descumprimento da decisão do Supremo e que, portanto, não poderia ser preso.

“Não consta a restrição de dar entrevista a jornalistas, como é o teu caso [Eustáquio]. Aqui não é uma rede social, é um programa jornalístico. Você é jornalista e está entrevistando o Zé Trovão e o Wellington sem problema”, explicou o advogado ao blogueiro durante a transmissão que ocorreu em uma rede social.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.