CartaExpressa

Novo decreto sobre armas de fogo deve sair em maio, diz Dino

A proposta será levada na primeira quinzena do mês que vem ao presidente Lula

O ministro da Justiça, Flavio Dino, é o entrevistado do programa A Voz do Brasil.
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, afirmou nesta terça-feira 11 que o novo decreto sobre armas de fogo no País deve ser editado em maio. A proposta será levada na primeira quinzena do mês que vem ao presidente Lula (PT), a quem caberá a decisão de assinar o documento.

“Com o novo decreto, aquelas atividades que se encontravam suspensas serão retomadas“, declarou Dino durante audiência na Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados. Segundo ele, 880 mil armas já foram recadastradas no Brasil neste ano.

As atuais restrições e o recadastramento foram medidas determinadas por Lula logo após a posse, com o objetivo de reverter a flexibilização da circulação de armas promovida por Jair Bolsonaro (PL). Ao julgar o tema, o Supremo Tribunal Federal considerou que a nova regra está dentro da legalidade e suspendeu decisões pró-armas de instâncias judiciais inferiores.

A sessão com Dino na Câmara nesta terça foi marcada por tumulto e discussões entre parlamentares. Ao fim da audiência, que durou cerca de uma hora e meia, a Polícia Legislativa teve de intervir para acalmar os ânimos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar