CartaExpressa

Nova pesquisa do IBGE vai perguntar sobre identidade de gênero

Pergunta integra o questionário da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde

Licia Rubinstein/Agência IBGE Notícias /Direitos Reservados
Apoie Siga-nos no

IBGE anunciou que, pela primeira vez, incluiu uma pergunta sobre identidade de gênero em uma pesquisa realizada pelo instituto. Trata-se da mais nova Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde que, entre outras questões, abordará o tema com os entrevistados.

O anúncio do IBGE foi feito nesta segunda-feira 9. De acordo com o instituto, a coleta de dados já foi iniciada e será realizada em 133 mil domicílios, em mais de 2.500 municípios de todo o país.

“O levantamento está sendo feito em parceria com o Ministério da Saúde e vai coletar informações essenciais para o planejamento de políticas públicas na área”, informou o IBGE via Agência Brasil.

Os resultados do levantamento têm previsão de publicação no último trimestre de 2024. Além da questão de gênero, as perguntas tratam de temas como satisfação com o atendimento no serviço de saúde, planejamento familiar, pré-natal, uso de métodos contraceptivos e saúde e nutrição das crianças.

Nesta pesquisa o IBGE também usará uma nova metodologia para questionar os entrevistados sobre a orientação sexual. A intenção é ter dados mais completos sobre a diversidade da população brasileira.

“Como esses e outros temas da pesquisa são considerados sensíveis, o entrevistado só responderá por si mesmo e por seus filhos pequenos”, explica a analista do IBGE, Marina Águas.

(Com informações de Agência Brasil)

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.