CartaExpressa

Nas redes sociais, Queiroz reclama da ausência de aliados de Bolsonaro

Nas redes sociais, Queiroz reclama da ausência de aliados de Bolsonaro

Ele publicou uma foto ao lado de Bolsonaro e aliados como o deputado Hélio Lopes e o assessor da presidência, Max Guilherme de Moura

Créditos: Reprodução / Redes Sociais

Créditos: Reprodução / Redes Sociais

Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos – RJ), fez uma publicação em suas redes sociais neste domingo 25 se queixando do afastamento dos aliados de Bolsonaro.

“É faz tempo que eu não existo pra esses 3 papagaios aí! (águas de salsichas) literamente! Vida segue”, escreveu ao reproduzir uma foto em que aparece ao lado do presidente Jair Bolsonaro, do hoje deputado Hélio Lopes (PSL-RJ), do assessor especial da Presidência da República, Max Guilherme Machado de Moura, e do advogado Fernando Nascimento Pessoa, assessor parlamentar do gabinete de Flávio Bolsonaro no Senado. Na publicação, o quinteto aparece no Maracanã.

Consolado por um amigo na publicação, Queiroz escreveu: “Minha metralhadora tá cheia de balas”, o texto foi acompanhado de um emoji em forma de bala.

 

 

A outras pessoas que interagiram com a publicação, e questionaram se o ex-assessor defenderia o impeachment de Bolsonaro, escreveu: “Defendo Lula na prisão. Bolsonaro até 2026!”.

Queiroz ainda tentou minimizar o impacto da publicação dizendo que a tinha feito para pegar ‘PTralhas’ infiltrados em seu perfil.

Sobre os mencionados na imagem, Pessoa ocupa cargo comissionado no gabinete de Flávio Bolsonaro. Em maio, seu vencimento líquido foi de R$ 16.958,38 líquidos. Ele já assessorou Bolsonaro na Câmara dos Deputados e Flávio na Alerj, sendo alvo de investigação do esquema de rachadinhas.

Já Max Guilherme Machado de Moura, ex-policial do Bope (Batalhão de Operações Especiais da PM do Rio), prestou serviço de segurança a Bolsonaro, inclusive na disputa presidencial de 2018. Como assessor especial da Presidência, integrou comitiva oficial a Israel para negociação de tratamento contra Covid-19.

Queiroz é  investigado por participação em suposto esquema de “rachadinha” (devolução de salários) na Assembleia, no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, hoje senador. Ele chegou a ser preso, mas conseguiu a revogação.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem