CartaExpressa

Não tenho dúvidas que a aprovação da reforma tributária influenciará o Copom, diz Lira

Para o presidente da Câmara, este será um reflexo de “sinalizações” positivas que a política tem dado às autoridades monetárias

Se hay gobierno, soy a favor. Lira e o Centrão subvertem o velho lema dos anarquistas. A turma está pronta a abraçar Lula - Imagem: Zeca Ribeiro/Ag.Câmara
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse em entrevista a jornalistas nesta sexta-feira 7, acreditar que a aprovação da reforma tributária irá influenciar decisões da próxima reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central.

“A avaliação externa é de satisfação de o Brasil ter conseguido votar, no Congresso Nacional, uma matéria dessa importância. Acredito que ela vai influenciar, não tenho dúvidas, na sinalização da próxima reunião do Copom”, disse.

O encontro do Copom previsto para agosto é determinante para estabelecer diretrizes da política monetária e definir a taxa básica de juros. A taxa Selic, que está em 13,75% desde agosto de 2022, deve ser um dos focos. 

Para Lira, este movimento será um reflexo de “sinalizações” positivas que a política tem dado à autoridade monetária. “Todas as votações do Congresso visam um ambiente mais estável e seguro, com segurança jurídica, desburocratização, simplificação, então isso influencia”, afirmou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.