CartaExpressa

Deputados aprovam regime de urgência para quatro projetos de lei; veja a lista

Textos serão apreciados diretamente no Plenário, sem passar por comissões

Sessão Deliberativa do Plenário da Câmara. Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A Câmara dos Deputados aprovou, no fim da noite desta terça-feira 7, o regime de urgência para quatro projetos de lei.

A medida permite que os textos sejam votados diretamente no Plenário, sem antes passar pelas comissões da Casa de Leis.

Dois dos textos que tiveram regime de urgência aprovados nesta terça-feira vieram do Senado Federal. Um outro PL é do governo federal e apenas um tem autoria na própria Câmara. Veja a lista:

  • PL 1366/22, do Senado Federal: o projeto exclui a silvicultura da lista de atividades consideradas potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais. O texto original é de autoria do ex-senador Álvaro Dias (Podemos-PR);
  • PL 5010/13, também vindo do Senado: o texto regulamenta a pesquisa, a produção e a comercialização de animais domésticos clonados. Na Casa Alta, o PL é de autoria da senadora Kátia Abreu (PSD-TO);
  • PL 777/24, do deputado Geraldo Resende (PSDB-MS): o projeto institui ações de promoção da saúde mental do idoso no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS);
  • PL 914/24, do Poder Executivo: esse é o texto que cria o Programa Mobilidade Verde e Inovação (Mover). No relatório, o deputado Átila Lira (PP-PI) adicionou ao texto um item que trata do fim da isenção de compras internacionais abaixo de 50 dólares.

(Com informações de Agência Câmara)

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar