CartaExpressa

Não há evidências de que novas variantes da Covid-19 escapem à vacina, diz ministra da Saúde

As variantes EG.5 e BA.6 passaram a chamar a atenção de pesquisadores desde que a OMS registrou o aumento de 80% dos casos da doença a nível mundial

A ministra da Saúde, Nísia Trindade. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, apontou, nesta quinta-feira 17 que ainda não há evidências de que as novas variantes da Covid-19, EG.5 ou BA.6, escapem à imunização ou causem casos mais graves da doença.

As variantes passaram a chamar a atenção de pesquisadores desde que a Organização Mundial da Saúde registrou o aumento de 80% dos casos de Covid-19 a nível mundial entre 10 de julho e 6 de agosto, em comparação com os 28 dias anteriores.

Uma das hipóteses é que a EG.5, apelidada de Eris, e a BA.6, sub variante da Ômicron, estejam relacionadas aos casos. Ainda de acordo com a OMS, a EG.5 já foi identificada em 51 países e se tornou predominante nos Estados Unidos e Japão. Já a BA.6, foi relatada em Israel e na Dinamarca, segundo o tabloide inglês Mirror.

Temos sempre estado atentos às variantes de Covid-19 para nos antecipar aos cenários. No momento, ainda não há evidências de que a EG.5 ou BA.6 escapem à imunização ou impactem em casos graves”, escreveu a ministra em suas redes sociais.

Nísia aproveitou o informe para reforçar a necessidade da vacinação de toda a população, e do uso de máscaras por pessoas imunocomprometidas. “Pessoas há mais de um ano sem vacina contra a Covid-19, principalmente aquelas em grupos prioritários, precisam receber a dose de reforço das vacinas bivalentes”, acrescentou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.