Política

Bolsonaro alega ‘fantasia’ de Delgatti para tentar se afastar de acusações

O ex-presidente confirma encontro com o hacker, mas diz que o depoente ‘está voando completamente’

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira 17 que Walter Delgatti está “fantasiando” em seu depoimento à CPMI do 8 de Janeiro. Ele confirmou, porém, um encontro com o hacker no Palácio da Alvorada em 2022.

O depoente declarou à comissão que o ex-capitão prometeu lhe conceder um indulto caso assumisse a autoria de um suposto grampo telefônico com “conversas comprometedoras” do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal.

Bolsonaro teria garantido que o suposto grampo motivaria uma ação contra o magistrado e justificaria a realização de uma eleição com o voto impresso.

Delgatti também reforçou ter “orientado” a produção do relatório do Ministério da Defesa sobe as urnas eletrônicas. O documento foi entregue ao Tribunal Superior Eleitoral em novembro de 2022.

“Ele está inspirado hoje. Teve a reunião e eu mandei ele para o Ministério da Defesa para conversar com os técnicos. Ele esteve lá e morreu o assunto. Ele está voando completamente”, disse Bolsonaro nesta quinta à Jovem Pan. “Tem fantasia aí. Eu só encontrei com ele uma vez no café da manhã [no Alvorada], não falei com ele no telefone em momento algum. Como ele pode ter certeza de um grampo? Nós desconhecemos isso.”

O hacker também narrou detalhes de uma suposta primeira reunião na sede do PL em Brasília, em 9 de agosto do ano passado. Estiveram presentes, segundo Delgatti, o presidente do partido, Valdemar Costa Neto; o marqueteiro Duda Lima; a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP); o deputado estadual Bruno Zambelli (PL-SP), irmão de Carla; o marido da deputada; e o advogado de Delgatti, Ariovaldo Moreira.

Um dos supostos planos envolveria a implantação por Delgatti, em 7 de setembro de 2022, de um “código malicioso” em uma urna eletrônica para demonstrar a pretensa possibilidade de fraude no sistema eleitoral. O ato se basearia em um código “fake”.

Delgatti disse, então, ter sido levado ao Palácio da Alvorada em 10 de agosto para se reunir com Bolsonaro, Carla Zambelli, o ajudante de ordens Mauro Cid e o coronel Marcelo Câmara. Na ocasião, o ex-presidente teria encaminhado o hacker para explicar o plano ao Ministério da Defesa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo