CartaExpressa

‘Não gosto de levar desaforo para casa’, diz Ciro Gomes sobre tapa após ser chamado de ‘bandido’

O episódio ocorreu durante um evento em Fortaleza no último domingo 3

O ex-presidenciável Ciro Gomes (PDT) deu um tapa no rosto de um jovem após ser abordado e provocado pela vítima — Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) tentou justificar a atitude de dar um tapa em um homem em Fortaleza, no último domingo 3. Na ocasião, o pedetista se irritou ao ser chamado de “bandido” em um evento por Tiê Rocha, de 30 anos.

“Eu não gosto de levar desaforo para casa”, disse Ciro em entrevista ao podcast PPCellCast. “Eu não acho razoável, justo, uma pessoa decente ser agredida, insultada de graça e não reagir. Eu fico pensando: se eu não reagir, estou aceitando uma aberração dessa. Aí eu reajo na proporção.”

Ciro atribuiu a provocação recebida por ele polarização e à postura de políticos que, em sua avaliação, não se dão ao respeito. “Vamos aceitar isso por quê? Quem quiser aceitar que aceite, eu sou um cidadão particular, cioso dos meus direitos, das minhas obrigações. Olho pra trás e não tenho uma mancha na minha vida”, emendou.

Após o episódio, Tiê Rocha alegou que Ciro demonstrou “zero controle emocional” e que o ex-governador “vai aprender a respeitar a cara de um sertanejo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar