CartaExpressa

MPF pede a responsabilização de Nikolas Ferreira por discurso transfóbico na Câmara

Procuradora também solicitou que a Mesa Diretora da Casa apure uma suposta violação ética por parte do bolsonarista

O deputado federal bolsonarista Nikolas Ferreira. Foto: Reprodução/TV Câmara
Apoie Siga-nos no

A procuradora da República Luciana Loureiro de Oliveira, do Ministério Público Federal no DF, protocolou uma representação nesta quarta-feira 8 contra o deputado federal bolsonarista Nikolas Ferreira (PL-MG), que usou a tribuna da Câmara para proferir um discurso transfóbico no Dia Internacional das Mulheres.

O MPF representa pela adoção de medidas de responsabilização cível (dano moral coletivo) e/ou criminal. Segundo a procuradora, a conduta de Ferreira pode incidir em incitação à discriminação por motivo de gênero.

Ela também pediu que a Mesa Diretora da Câmara apure uma suposta violação ética por parte do bolsonarista.

Durante sessão nesta tarde, Nikolas Ferreira vestiu uma peruca loira e disse que as mulheres estariam perdendo espaço para “homens que se sentem mulheres”.  Também fez uma série de outras afirmações transfóbicas.

Logo depois do pronunciamento, a deputada federal Tabata Amaral (PSB–SP) anunciou que apresentará ao Conselho de Ética da Câmara um pedido de cassação do mandato do deputado de extrema-direita.

O PSOL, cuja bancada é liderada por Sâmia Bomfim (SP), informou que protocolará uma notícia-crime no Supremo Tribunal Federal.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.