CartaExpressa

Ministro da Justiça deveria receber um adicional de insalubridade, diz Dino

Segundo o ministro, crises ‘acham’ a pasta e demandam um ‘esforço permanente’

O ministro da Justiça, Flávio Dino. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança, Flávio Dino (PSB), afirmou nesta quarta-feira 22 não ter “vida fácil” no cargo. Ele mencionou, em tom de descontração, que o ano começou com o 8 de Janeiro e chegou a 21 de novembro com uma confusão no jogo entre Brasil e Argentina, no Maracanã, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2026.

As declarações foram concedidas durante o 7º Fórum CNT de Debates. Nesta edição, os participantes discutem estratégias para coibir roubo de cargas e caminhões, saques no transporte aquaviário, roubo de cabos do Metrô, depredação e queima de ônibus, entre outros temas.

“O ministro de Justiça e da Segurança deveria receber algum tipo de adicional, se não de periculosidade, de insalubridade, porque os temas são muito variados e permanentemente em crise”, disse Dino. “É como se fosse uma UTI na Esplanada. Eu não preciso ir até as crises, elas vêm até mim.”

Segundo o ministro, as crises “acham a porta do Ministério da Justiça” e demandam “um esforço permanente de enfrentamento das emergências”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.