CartaExpressa

Lula anuncia ampliação do programa Pé de Meia; saiba quem serão os novos beneficiados

A expectativa é que a bolsa-poupança estudantil alcance mais 1,2 milhões de jovens

Foto: Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) afirmou, nesta segunda-feira 22, que o programa Pé de Meia será ampliado para atender todos os jovens inscritos no Cadastro Único (CadÚnico).

Até o momento, a bolsa-poupança estudantil era destinada apenas a estudantes do Bolsa Família.

“Quando nós anunciamos o Pé de Meia, a linha de corte era o cadastro do Bolsa Família, e ficou de fora o CadÚnico. Agora resolvemos aumentar a linha de corte para o CadÚnico e vai entrar mais 1,2 milhão de meninos e meninas no programa”, disse o presidente.

A declaração ocorreu durante a cerimônia de anúncio do programa Acredita, com crédito para Bolsa Família e Desenrola para MEIs, no Palácio do Planalto. 

Com a ampliação, devem ser beneficiados estudantes que a família tem acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), à Tarifa Social de Energia Elétrica, ao ‘Minha Casa, Minha Vida’, ao programa Renova, ao Água Para Todos (Cisternas), e aqueles que têm Isenção de Taxa em Concursos Públicos.

Os detalhes da ampliação serão ainda oficializados em uma Medida Provisória do programa. A ampliação deve sair no Diário Oficial desta terça-feira 23.

Já sobre o investimento previsto no programa, já contando a ampliação, é de 11 bilhões de reais anuais. No patamar atual, o programa teria um orçamento de 7 bilhões de reais. Lula tem justificado o aumento como um ‘investimento’, conforme classificação que dá aos empenhos para a área de Educação, os quais evita chamar de ‘gastos’.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar