CartaExpressa

Justiça nega pedido de DJ Ivis para tirar do ar vídeo de agressão contra a ex-mulher

A esposa do DJ, Pamella Holanda, divulgou as imagens da violência em suas redes sociais

Créditos: Reprodução Instagram Créditos: Reprodução Instagram
Apoie Siga-nos no

A juíza Maria José Sousa Rosado de Alencar, da Comarca de Fortaleza, negou o pedido da defesa do DJ Ivis para que fosse removido o conteúdo em que ele aparece agredindo a esposa, Pamella Holanda. A mulher divulgou as imagens das agressões no domingo 11, em suas redes sociais.

Também foi negado o pedido do músico para que a esposa fosse proibida de comentar o assunto com a imprensa, ‘principalmente onde citem a filha menor’.

Na análise, a juíza destacou ser “impossível analisar o pedido, além do que a concessão de tal pretensão, nos moldes formulados representaria afronta ao direito fundamentada livre expressão da imprensa”.

Após a divulgação das agressões, Ivis se manifestou em suas redes sociais dizendo que não vivia um relacionamento saudável e que sofria ameaças por parte da esposa. Ele também moveu um uma ação de calúnia contra Pamella. A defesa do DJ afirma que a mulher comunicou à imprensa fatos mentirosos relativos à violência doméstica, o que prejudicaria a reputação de Ivis.

Sobre o ponto, a juíza acrescentou em um trecho da decisão que “a falta de veracidade ou eventuais excessos veiculados em matérias de internet deverão ser apurados posteriormente, sendo incompatível com o regime de plantão judiciário, pelo que deixo de acolher os pedidos formulados em tutela de urgência”.

O processo foi encaminhado para a Comarca da cidade de Eusébio, na Grande Fortaleza, onde o músico mora.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.