CartaExpressa

Senado torna crime a violência psicológica contra as mulheres

A proposta, que prevê reclusão e multa, segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro

Foto: Mídia Ninja Foto: Mídia Ninja
Apoie Siga-nos no

O Senado aprovou, nesta quinta-feira 1, um projeto de lei que insere no Código Penal o crime de violência psicológica contra as mulheres. O texto segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

A proposta define a violência psicológica como “causar dano emocional à mulher que a prejudique e perturbe seu pleno desenvolvimento ou que vise a degradar ou a controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, chantagem, ridicularização, limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que cause prejuízo à sua saúde psicológica e autodeterminação”.

Em caso de enquadramento, está prevista uma pena de reclusão de seis meses a dois anos e multa, caso não se configure crime mais grave.

Ainda no âmbito do Código Penal, a proposta prevê acrescentar um dispositivo ao crime de violência doméstica, especificamente sobre o caso de lesões corporais, para indicar que se a lesão for praticada contra a mulher por causa da condição do sexo feminino o agressor estará sujeito à pena de reclusão de um a quatro anos.

O projeto, apresentado na Câmara pelas deputadas Margarete Coelho (PP-PI), Soraya Santos (PL-RJ), Greyce Elias (Avante-MG) e Carla Dickson (PROS-RN), também prevê que o crime de violência psicológica seja incorporado à Lei Maria da Penha, para que seja possível afastar o agressor do lar e da convivência com a família.

As parlamentares ainda propõem a criação do Programa Sinal Vermelho, por meio do qual as mulheres desenham um X na palma de suas mãos e mostram aos funcionários dos estabelecimentos como um pedido de socorro. A iniciativa já é adotada por alguns estabelecimentos comerciais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar