CartaExpressa

Justiça autoriza a soltura do hacker da Vaza Jato

Nos últimos meses, Walter Delgatti Neto esteve associado a parlamentares bolsonaristas e à tentativa de grampear o ministro Alexandre de Moraes

Walter Delgatti Neto, o hacker que invadiu o Telegram da Lava Jato. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, autorizou na noite deste domingo 9 a soltura de Walter Delgatti Neto, conhecido pelo vazamento de dados que deu origem à Vaza Jato. 

Delgatti terá de usar tornozeleira eletrônica, apresentar um relatório mensal ao e-mail do delegado com local, horário e atividades desenvolvidas na internet, informar o endereço residencial atualizado e avisar a polícia se tiver de se ausentar do estado de São Paulo por mais de 48 horas.

O hacker já havia sido preso preventivamente em 2019 e respondia em liberdade por invadir mensagens dos procuradores da Lava Jato, mas, após descumprir as ordens judiciais, foi detido novamente no final de junho deste ano.

Desta vez, a PF identificou que o hacker cuidava do site e das redes sociais da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP), além de ter feito compras online e usado um e-mail como chave Pix para arrecadar doações. Ele também não foi encontrado nos endereços indicados à Justiça. 

No período, Delgatti também teria se encontrado com a cúpula do PL, que estava à frente da campanha presidencial, e encabeçado um plano para grampear o ministro Alexandre de Moraes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar