CartaExpressa,Sociedade

João de Deus é condenado a 44 anos de prisão por estupros em Abadiânia

João de Deus é condenado a 44 anos de prisão por estupros em Abadiânia

Essa é a quarta condenação por abusos sexuais cometidos durante os atendimentos espirituais

(Foto: Marcelo Carmargo)

(Foto: Marcelo Carmargo)

O médium João de Deus foi condenado a 44 anos de prisão pelo estupro de quatro mulheres em Abadiânia, Goiás, durante os atendimentos espirituais entre 2009 e 2018. A condenação foi divulgada nesta quinta-feira 25.

Essa é a quarta condenação contra João de Deus. Neste caso, a denúncia pedia a condenação pelo crime contra cinco mulheres. Em um dos casos, no entanto, a Justiça entendeu não ter provas suficientes contra o médium.

Além da prisão determinada pela sentença do juiz Marcos Boechat, João de Deus terá que pagar uma indenização para cada uma das vítimas. Os valores variam de 20 mil a 75 mil reais. Na sentença, o magistrado alegou que o médium cometeu o crime de estupro contra duas das mulheres e estupro de vulnerável contra as outras duas.

No momento, João de Deus está cumprindo prisão domiciliar em Anápolis (GO) após ser detido duas vezes para cumprir em regime fechado parte das penas.

As denúncias contra o médium começaram a aparecer no início de dezembro de 2018 e levaram o réu à cadeira na metade daquele mesmo mês. Ele ficou preso até março de 2020, quando foi liberado a cumprir a pena em regime domiciliar. Em agosto deste ano voltou ao presídio, novamente liberado no mês seguinte.

As condenações que levaram ele à cadeia vão desde posse ilegal de arma de fogo, violação sexual, outros crimes sexuais e estupro. As penas atribuídas a ele variam de 4 a 44 anos de prisão.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem