CartaExpressa,Política

Governo diz que inglês insuficiente atrasou adesão ao Covax Facility

Governo diz que inglês insuficiente atrasou adesão ao Covax Facility

A 'falta de conhecimento de inglês' dos consultores jurídicos do governo atrasou em seis meses a entrada do Brasil no consórcio de vacinas

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A falta de conhecimento em inglês de integrantes do Ministério da Saúde atrasou em cerca de seis meses a entrada do Brasil no consórcio de vacinas Covax Facility.

A justificativa foi dada pelo próprio governo federal em documentos oficiais encaminhados à CPI da Covid no Senado, segundo mostrou o jornal Folha de S. Paulo nesta quarta-feira 14.

Nos documentos que estão em posse da comissão, o governo diz que os contratos escritos em inglês dificultaram a análise dos consultores jurídicos do Ministério da Saúde, pois eles não tinham “conhecimento suficiente de tal língua estrangeira a ponto de emitir manifestação conclusiva.”

A documentação foi encaminhada ao Brasil em 24 de setembro de 2020 e precisaria ser analisada em 24 horas. O curto espaço de tempo também foi uma das justificativas dadas pelo governo federal para que a adesão só ocorresse em março deste ano.

No parecer emitido ainda em setembro, a consultoria jurídica da pasta concluiu que havia riscos na adesão, mas que ela já estaria autorizada pelas Medidas Provisórias editadas pelo presidente Jair Bolsonaro dias antes.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem