CartaExpressa

Governo Bolsonaro comprou pescoço de galinha a R$ 260 o quilo para população indígena

Contrato assinado foi para a compra de 20 quilos do item, totalizando R$ 5.200; não há registro de entrega do produto, que no mercado custa, em média, R$ 10

Registro de protesto de membros de comunidades indígenas em Brasília, em junho. Foto: Tiago Miotto/Cimi
Apoie Siga-nos no

No curso das denúncias de irregularidades em compras de alimentos para a população indígena, mais um caso envolvendo o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) foi revelado nesta terça-feira 16. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o governo anterior comprou, em 2022, pescoço de galinha para indígenas, no valor de 260 reais o quilo.

De acordo com a publicação, a compra, sem licitação, foi feita em uma empresa em Humaitá (AM), cujo administrador é Herivaneo Vieira de Oliveira Junior, filho do ex-prefeito do município, Herivaneo Vieira de Oliveira (PL), que já foi preso por ataques a órgãos ambientais. O pai é proprietário do mercado. A compra foi destinada a indígenas da etnia Mura e a funcionários da Funai em missão em Manicoré, na floresta amazônica.

O contrato assinado envolveu a compra de 20 quilos de pescoço de galinha, totalizando 5,2 mil reais. Não há, entretanto, registro de entrega do produto. O preço médio do quilo de pescoço de galinha gira em torno dos 10 reais, sendo comum encontrá-lo, em grandes redes de supermercado, a 5 reais o quilo.

Segundo a publicação, a coordenação regional da Funai em Rio de Madeira (AM) comprou, também, mais de uma tonelada de carne de charque, maminha, coxão duro, alcatra e latas de presunto que não foram distribuídas entre as famílias das aldeias indígenas durante a pandemia de Covid-19. 

Herivaneo Vieira de Oliveira disse que os produtos foram entregues conforme notas fiscais emitidas. Sobre a venda da carne de pescoço a 260 reais o quilo, ele disse que não vende esse tipo de produto. “Não existe isso aqui. Eu sei que é uma carne ruim demais”, afirmou. 

A Funai ainda não se manifestou, especificamente, sobre o caso. Em nota sobre as irregularidades em compra de bistecas, enlatados e linguiças, reveladas na segunda-feira, a fundação informou que apura internamente o caso ocorrido na gestão anterior.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar