CartaExpressa

Gleisi critica Campos Neto por articulação com Congresso: ‘Devia terminar o mandato quieto’

O presidente do Banco Central tem atuado para aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição que garanta autonomia financeira e orçamentária à instituição

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, criticou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, nas articulações políticas que têm feito junto ao Congresso para aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição que garanta autonomia financeira e orçamentária à instituição.

“O BC é uma autarquia. Vem o Campos Neto dizer que quer autonomia financeira. Ele quer ser o quê? Um banco privado?”, questionou a parlamentar, em entrevista à CNN.

“O Roberto Campos Neto já está no fim do mandato, devia terminar o mandato tranquilo. Acho que já está equivocado com a política de juros que ele mantém. Então, termina quieto. Não fica articulando com o Congresso”, completou. O mandato do economista frente ao BC vai até dezembro deste ano.

A PEC começou a tramitar pelo Senado e está sendo discutida na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ); tem como relator o senador Plínio Valério (PSDB-AM).

O presidente do BC tem se reunido com parlamentares para defender a matéria. Campos Neto quer angariar o apoio do ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Gleisi garantiu que o PT é contra as articulações.

“Não conversei com o governo sobre isso. Nós somos contra. Aliás, a posição do PT sobre a autonomia do Banco Central já era contra desde aquele primeiro projeto. Porque o BC já teve autonomia. E agora tem mandato descoincidente com o presidente da República”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.