CartaExpressa

Alcolumbre pauta votação da PEC das Drogas para a próxima semana no Senado

Decisão foi tomada depois que o Supremo Tribunal Federal adiou a sessão sobre a descriminalização da maconha

O senador Davi Alcolumbre (União-AP). Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), pautou para a próxima semana a votação no colegiado da PEC que criminaliza o porte de drogas.

A PEC 45/2023, chamada PEC das Drogas, de autoria do senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, consta na pauta de votação da quarta-feira 13, às 10h.

A decisão de pautar a sessão foi tomada no colégio de líderes na quinta-feira 7, depois que o Supremo Tribunal Federal adiou a sessão sobre a descriminalização da maconha. Encampada por parlamentares de direita, a PEC quer torna crime a posse e o porte de drogas independentemente da quantidade.

Representantes têm pressionado para que o debate ocorra no Congresso e não na Justiça, caso do senador Efraim Filho (União-PB), relator do texto. “É um debate que interessa a sociedade brasileira. No Congresso Nacional está essa prerrogativa e competência de descriminalização das drogas, não acredito que seja um tema a ser decidido pelos tribunais”, disse.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, também defendeu a posição de que esta matéria deve ser decidida pelo Congresso. Segundo ele, uma liberação por parte do STF seria “invasão de competência” do Congresso Nacional.

A expectativa é que o Supremo retorne o julgamento sobre o tema na próxima terça-feira 12, um dia antes da votação na CCJ.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo