CartaExpressa

FMI prontamente elogia o pacote de arrocho anunciado por Milei

O plano prevê forte desvalorização do peso, suspensão de obras e corte de subsídios

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei. Foto: Luis Robayo/AFP
Apoie Siga-nos no

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, exaltou nesta terça-feira 12 as medidas de arrocho fiscal oficializadas pelo presidente da Argentina, Javier Milei. Segundo ela, trata-se de “um passo importante para restaurar a estabilidade e reconstruir o potencial econômico do país”.

Além disso, a diretora de comunicações do FMI, Julie Kozack, afirmou que a equipe técnica do órgão “apoia as medidas”, divulgadas na noite desta terça pelo ministro da Economia, Luis Caputo.

Entre as medidas, estão:

  • não renovar contratos de trabalho com vigência inferior a um ano;
  • interromper por um ano a publicidade do governo na imprensa;
  • reduzir os ministérios de 18 para 9 e as secretarias de 106 para 54;
  • reduzir “ao mínimo” as transferências do governo nacional para as províncias;
  • não promover licitações de obras públicas e cancelar as licitações de obras que ainda não começaram;
  • reduzir os subsídios para energia e transportes;
  • desvalorizar a moeda argentina, com a fixação do dólar em 800 pesos (hoje, custa menos de 400);
  • trocar o sistema de importações por um que não exigirá informações de licença prévia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.