CartaExpressa

Festa clandestina em Curitiba tem música alta e dragão gigante

Evento foi realizado na noite da última segunda-feira, 21

Foto: Redes sociais
Apoie Siga-nos no

Uma festa clandestina em um apartamento da Avenida Visconde de Guarapuava, no bairro Batel, em Curitiba, Paraná, mobilizou equipes da Polícia Militar (PM) e da Guarda Municipal (GM) na noite da última segunda-feira, 21. Além da música alta e das luzes espalhafatosas, um outro detalhe chamou a a atenção dos moradores da região. Entre os “convidados” estava um dragão vermelho gigante, que teria custado 100 mil reais.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, é possível ver o dragão pendurado por um guindaste sendo colocado no apartamento pela janela. Em outro vídeo, o dragão aparece já dentro do apartamento cercado pelos convidados e de uma estrutura para festas, com iluminação de balada e globo espelhado.

A polícia chegou a ir até o local em duas oportunidades e orientou que o proprietário diminuísse o volume da música. O evento reunia familiares e amigos mais próximos.

O decreto estadual 6294/2020 que estabeleceu medidas de restrição contra a Covid-19 e proíbe confraternizações e eventos presenciais que causem aglomerações com grupos de mais de 10 pessoas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar