CartaExpressa

Estudantes do RS ficarão isentos da taxa de matrícula do Enem, anuncia Camilo

Ministro da Educação ainda disse que o Inep vai divulgar um calendário exclusivo de inscrições para os estudantes do estado

O ministro da Educação, Camilo Santana. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou, nesta segunda-feira 20, que os estudantes do Rio Grande do Sul inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio ficarão isentos da matrícula.

A medida foi estendida aos alunos que, pelos critérios econômicos, não teriam direito à isenção.

“Todos os alunos ficarão isentos da inscrição. A previsão é que sejam 40 mil alunos, o que representa algo em torno de 3,5 milhões de reais”, disse, ao explicar o investimento do governo federal.

Camilo Santana ainda disse que o Inep vai divulgar um calendário exclusivo de inscrições ao Enem para os estudantes do estado. Para os demais estudantes do País, as inscrições para o exame começam na segunda-feira 27 e vão até o dia 7 de junho.

Santana também afirmou que liberou um crédito extraordinário de cerca de 26 milhões de reais para o Programa Nacional de Alimentação Escolar para apoiar as famílias a adquirirem mantimentos; também anunciou 46 milhões de reais via Programa Direto na Escola, que poderá ser utilizado para as demandas de recuperação, reformas ou construção de novas escolas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.