CartaExpressa

Desinformação sobre catástrofe no RS tem fins políticos e eleitorais, diz Jorge Messias

Desde o início da crise no RS, o governo federal vem discutindo o tema da desinformação

Jorge Messias, Advogado-geral da União. Foto: José Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O advogado-geral da União, Jorge Messias, disse considerar que a disseminação de informações falsas sobre a catástrofe que assola o Rio Grande do Sul é uma estratégia que possui “fins políticos e eleitorais”. A declaração foi feita nesta segunda-feira 20, durante participação em um seminário no Supremo Tribunal Federal.

Messias defendeu ainda a regulação das redes sociais e afirmou que a onda de desinformação prejudica as ações de socorro às vitimas dos temporais. O ministro também indicou para a possibilidade de interesses financeiros estarem incidindo sobre as publicações fraudulentas.

“Existe uma estratégia de utilização da desinformação com objetivos muito claros. O primeiro é a utilização das informações falsas para ganhos políticos e eleitorais. Precisamos entender que estamos entrando em um processo eleitoral no Brasil, então há um debate que está colocado com clareza”, destacou.

O ministro também afirmou não ver diferença entre a disseminação massiva de fake news sobre o RS em comparação à pandemia de covid-19. Messias participou do seminário Desafios e impactos da Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que conta com a presença de especialistas em Direitos Humanos e juízes da CIDH.

Pela manhã foi a vez dos ministros Ricardo Lewandowski (Justiça e Segurança Pública) e Mauro Vieira (Relações Exteriores) participarem do evento.

Desde o início da crise no RS, o governo federal vem discutindo o tema da desinformação. Messias já se reuniu com representantes de plataformas digitais, como Google, YouTube, TikTok, Meta e LinkedIn, para que assinassem um protocolo de combate às fake news sobre o estado.

Em outra frente, a AGU pediu ao Ministério Público a identificação e investigação das pessoas que estão divulgando informações falsas sobre a catástrofe.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.