CartaExpressa

Fachin remete ao plenário do STF o julgamento contra a proibição de ‘saidinha’ de presos

Ministro alegou ‘relevância do tema’ para submeter a decisão ao plenário da Suprema Corte

O Ministro Edson Fachin. Foto: Nelson Jr./STF
Apoie Siga-nos no

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) vão julgar em plenário a ação que questiona a lei que acaba com a saída temporária de presos, aprovada recentemente pelo Congresso Nacional.

Quem submeteu o julgamento diretamente ao plenário foi o ministro Edson Fachin, que considerou a medida necessária diante da relevância do tema. A decisão foi tomada na noite desta segunda-feira 10.

Fachin também pediu dados sobre o sistema prisional ao Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e ao Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A ação é movida pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que considera que a lei, ao retirar as hipóteses de saída para visita à família e à “participação em atividades que concorram para o retorno ao convívio social”, estaria ferindo o texto constitucional.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.