CartaExpressa

‘Estou às suas ordens, meu capitão’, diz Michelle após a condenação de Bolsonaro

A ex-primeira-dama é uma das opções consideradas pelo bolsonarismo para o próximo pleito presidencial

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) junto à esposa Michelle e o pastor Silas Malafaia, no Reino Unido. Foto: Chip Somodevilla/POOL/AFP
Apoie Siga-nos no

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro usou as redes sociais, nesta sexta-feira 30, para se manifestar após a condenação de Jair Bolsonaro pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Estou às suas ordens, meu capitão“, escreveu Michelle. Ela também recorreu a um versículo bíblico, a afirmar que “quem agir de forma injusta receberá o devido pagamento da injustiça cometida; e nisto não há exceção para pessoa alguma”.

Uma pesquisa Quaest divulgada no final de junho tentou definir quem, na opinião dos entrevistados, Bolsonaro deveria apoiar em caso de inelegibilidade.

Entre os eleitores do ex-presidente, 33% disseram que ele deve apoiar Tarcísio de Freitas (Republicanos), governador de São Paulo. Para 24%, o endosso caberia a Michelle. Já 11% consideram que Bolsonaro deve escolher o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

No TSE, votaram para condenar Bolsonaro os ministros Benedito Gonçalves (relator), Floriano de Azevedo Marques, André Ramos Tavares, Cármen Lúcia e Alexandre de Moraes. Apenas Raul Araújo e Kassio Nunes Marques se manifestaram a favor do ex-capitão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.