CartaExpressa

Estação de Metrô de SP homenageará professora morta em ataque a escola

A Estação Vila Sônia, da Linha 4-Amarela, passará a se chamar Vila Sônia-Professora Elisabeth Tenreiro

Créditos: Reprodução Facebook
Apoie Siga-nos no

O governo de São Paulo alterará o nome de uma estação da Linha 4-Amarela do Metrô para homenagear uma professora vítima do ataque à Escola Estadual Thomazia Montoro, zona oeste da capital, em março deste ano.

Na quarta-feira 17, a Estação Vila Sônia passará a se chamar Vila Sônia-Professora Elisabeth Tenreiro, em memória da docente que morreu após ser esfaqueada pelo estudante autor do ataque. Outras quatro pessoas ficaram feridas.

Segundo o governo do estado, a estação receberá novos letreiros em fachadas, além de intervenções em plataformas e vagões.

Elisabeth Tenreiro tinha 71 anos e lecionava Ciências na escola. Antes, trabalhou por décadas no instituto Adolf Lutz, vinculado à Secretaria de Saúde de São Paulo. Ela ingressou no instituto na década de 1970  e se aposentou para dar aulas.

A homenagem do governo atende a um abaixo abaixo-assinado promovido pelos alunos da escola e entregue ao governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.