CartaExpressa

Governo de Mato Grosso do Sul quer oferecer cirurgias plásticas para conter bullying em escolas

A gestão de Eduardo Riedel argumenta que os episódios de humilhação e agressão são cada vez mais frequentes e desafiam a organização das escolas

|
Apoie Siga-nos no

O governo de Mato Grosso do Sul anunciou uma estratégia para conter a evasão escolar decorrente do bullying sofrido por estudantes nas escolas: oferecer cirurgias plásticas aos jovens.

As ‘cirurgias reparadoras preventivas de bullying’, segundo o governo, contemplarão redução de mamas em meninos e meninas, otoplastia e procedimento para corrigir as chamadas ‘orelhas de abano’, além de encaminhamentos para correção de casos de estrabismo.

Ao anunciar a ação, o governo de Eduardo Riedel (PSDB) argumentou que os episódios de humilhação e agressão entre estudantes são cada vez mais frequentes e seguem desafiando a organização das escolas. Segundo a gestão estadual, o MS registrou 142 casos desse tipo em 2022.

As cirurgias reparadoras a estudantes são fruto de uma parceria das secretarias da Educação e da Saúde e integram o projeto ‘MS Saúde: Mais Saúde, Menos Fila’.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.